Beba com responsabilidade e se beber não dirija.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

5 - Curiosidades Históricas Sobre a Cerveja

Como já vimos em postagens anteriores o surgimento da cerveja se deu de forma acidental e a mesma, logo após a sua descoberta, foi por muitos anos produzida pelas mulheres, porém é creditado aos monges o aprimoramento dessa maravilhosa bebida. 

Você acha que as curiosidades sobre a cerveja acabam por aqui? Não.... abaixo relatamos mais algumas retiradas do Larousse da Cerveja....

- A cerveja foi descoberta antes da invenção da roda, que se deu a 3000 a. C.

- Os sumérios produziam mais de vinte tipos de cerveja, para serem usadas como remédio, para os olhos e para a pele. (Claro... é aquela história de que não existe mulher feia, foi você que bebeu pouco).

- A cerveja era moeda de pagamento de salário entre os povos sumérios. (Nasci na época errada).

- O Código de Hamurábi previa o afogamento do cervejeiro em sua própria bebida, caso ela fosse intragável. (Hahahahaha.... se esse Código fosse aplicado nos dias de hoje no Brasil !!!!!! Ia ter algum cervejeiro boiando nos tanques de fermentação).

- Ainda no Código de Hamurábi outro artigo previa a pena de morte para os sacerdotes encontrados em bares.

- Da mesma forma o Código de Hamurábi determinava que o pagamento pela venda de cerveja não poderia ser em dinheiro, mas apenas em grãos de cereais. (Porque que não nos ensinaram esses detalhes do Código de Hamurábi na faculdade de Direito).

- Para os babilônios o cervejeiro era um homem de reputação, dispensado do serviço militar, sob a condição de suprir os exércitos com sua bebida.

- Nos bordéis babilônicos cada prostituta produzia sua própria cerveja para ser oferecida aos clientes. (Sem comentários).

- Os egípcios também usavam a cerveja para tomar banho, como tratamento para a pele. (Eu também molho meu corpo com cerveja, só que pelo lado de dentro, a não ser quando me babo).

- Os médicos gregos, Pedáneo e Dioscórides, recomendavam a cerveja única e exclusivamente para tratamento médico e afirmavam ter a mesma efeito diurético. (Pra que usar a hidroclorotiazida, vamos beber... cerveja).

- Tito Flávio Domiciano (51-96), imperador romano, tendo em vista o aumento crescente do consumo de cerveja, proibiu o cultivo da vinha em terrenos onde pudessem ser semeados cereais.

- No início da Idade Média a cerveja, produzidas pelas esposas, faziam parte da dieta das famílias, principalmente no desjejum. (Isso que é bonito... família reunida... tomando cerveja tipo refresco.... é a legítima propaganda de margarina medieval).

- O Imperador Carlos Magno (séc. VIII) editou algumas regras relacionadas à administração das terras do Estado, a qual se chamava Capitulare de Villis, e previa no artigo 34 que os administradores das cervejarias deveriam garantir que os funcionários mantivessem suas mãos limpas por questão de higiene.

- Santo Agostinho (354-430) é considerado oficialmente, pela Igreja Católica, o Padroeiro dos Cervejeiros.

- Na Áustria o patrono da cerveja é Santo Adriano (Qualquer semelhança é mera coincidência .... a torcida do Corinthians que o diga.). 

- Santo Arnoldo ou Arnold é o padroeiro dos colhedores de lúpulo.

- Ao Santo Arnulf de Metz (580-640) é creditado o milagre de não deixar esvaziar uma caneca de cerveja que foi servida aos seus seguidores que transportavam seu corpo para ser enterrado em Champigneulles, na Bélgica.  (Digno de beatificação).

- No século XII a cerveja era distribuída gratuitamente e era dada até mesmo às crianças como preventivo ao tifo e a cólera, porque era isenta de contaminação.

- Em Hamburgo, na Alemanha, no ano de 1550, havia aproximadamente 20.000 habitantes e o consumo per capita de cerveja era de 400 litros. (Para se ter uma idéia, hoje na região da Baviera, onde mais se bebe cerveja, o consumo é de 200 litros).

- O estilo de cerveja mais popular nos tempos atuais deve seu nome à cidade de Pilsen, na Boêmia, República Checa. (Viva a Tcheca!!!).

- A cerveja foi introduzida no Brasil pelos holandeses através da Companhia das Índias Orientais, no século XVII.

- Ainda no século XIX, na Região de Meklembourg, Alemanha, era tradição que a recém casada recitasse: “Meu Deus, ajude a cerveja quando eu a produzir, ajude o pão quando eu o amassar”.

- Na colonização da América, como parte da cerimônia de núpcias, as amigas se reuniam com a noiva para preparar uma cerveja especial, conhecida como Bride Ale, que era vendida para arrecadar dinheiro para a noiva.

- Em 1662 o Papa Alexandre VII permitiu a ingestão da cerveja pelos penitentes, decretando que o líquido não quebrava o jejum nos períodos de penitência.          

  
Fontes bibliográficas:


MORADO, Ronaldo. Larousse da Cerveja. São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.


Nenhum comentário:

Postar um comentário