Beba com responsabilidade e se beber não dirija.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

57.- DADO BIER ILEX


Cerveja: DaDo Bier Ilex
Cervejaria: DaDo Bier
Estilo: Specialty Beer/Herb
Teor Alcoólico: 5%
Local de origem: Santa Maria/RS, Brasil.
Degustada: 25/10/2011


Gaúchos e Gaúchas de todas as querências, leitores assíduos do Blog Cervejas Especiais, como bom gaúcho que sou não poderia deixar de falar de uma cerveja que honra as tradições dos pampas sul brasileiro, estou me referindo a DADO BIER ILEX, a primeira cerveja brasileira produzida com ERVA MATE.

Planta tradicional no Rio Grande do Sul de nome científico Ilex paraguariensis que da secagem e moagem de suas folhas produz a erva mate, ingrediente do chimarrão gaúcho.

Chimarrão

A cerveja DaDo Bier Ilex, segundo informações do fabricante é produzida com água, lúpulo, blend de maltes importados e, é claro, erva mate. É uma cerveja de baixa fermentação (lager) que, por esse motivo, não gera muitos sabores complexos na bebida, deixando “campo aberto” para se destacar o sabor levemente amargo da erva mate.


A primeira sensação que a Ilex lança no paladar é o adocicado tradicional das cervejas lagers proveniente dos açúcares dos maltes, entretanto, logo some essa sensação e surge o leve amargor da erva mate. Realmente a Ilex atinge o seu propósito de realçar o sabor “verde” dessa planta tão apreciada no Rio Grande do Sul.


Em relação ao aroma, quase que passa imperceptível as notas herbáceas da erva mate. Já em relação coloração dessa cerveja destaca-se por sua cor dourado-palha puxando levemente à esverdeada. Espuma de coloração branca, cremosa e duradoura.

A DaDo Bier Ilex mostrou-se uma cerveja muito interessante e boa, que não pode faltar no rol das “já bebidas” pelos apreciadores de cervejas.


Por ser uma cerveja de baixa fermentação (lager) pode ser apreciada em copos lagers, porém eu escolhi o copo do formato tulipa pelo fato dele lembrar o desenho de uma cuia (porongo, recipiente, onde se toma o chimarrão).

Copo Tulipa

Aliás a própria DaDo Bier vende um kit da Ilex com um copo em formato de cuia, muito bonito por sinal.

Imagem retirada do site da DaDo Bier

Fontes de pesquisa;


quarta-feira, 4 de abril de 2012

56.- 2ª BRASSAGEM - CAMBARÁ PILSEN

Estimados amigos leitores do Blog Cervejas Especiais, hoje tenho o prazer de postar uma matéria sobre a minha segunda produção de cerveja caseira a CAMBARÁ PILSEN.


Nessa segunda leva resolvi inovar e criar uma receita diferenciada, adicionando na cerveja dois adjuntos ligados a minha terra o Rio Grande do Sul. Resolvi adicionar na receita de uma cerveja pilsen tradicional dois produtos: mel de cambará e chá de macela.

Vamos falar um pouco de cada um desses adjuntos:

Mel de cambará: esse mel é produzido pela extração de açúcares (néctar) das flores de uma árvore chamada cambará. É um mel de coloração mais esbranquiçada e acredita-se que possui componentes medicinais, além de ser um alimento muito nutritivo. Esse mel foi adquirido em uma viagem que fiz para o município de Cambará do Sul/RS, onde se localizam os cânions gaúchos dos aparados da serra, dentre eles os dois mais conhecidos: cânion Fortaleza e cânion Itaimbezinho. Cabe destacar que Cambará do Sul é município destaque em produção de mel. O mel de cambará possui um gosto mais suave e menos enjoativo se comparado com o tradicional mel de laranjeira, e seu aroma destaca-se pelos tons florais, difíceis de transcrever, mas muito agradáveis.

Foto retirada do site As Plantas Medicinais
Macela: ou marcela, ou em Tupi-gaurani, eloyatei-caá. A macela é um arbusto, do qual suas flores são usadas, em infusão, para fazer chá indicado ao combate de cólicas estomacais. A macela é uma erva medicinal muito usada no Rio Grande do Sul, chegando a ser declarada, através de lei estadual, como Planta Medicinal Símbolo do Estado do Rio Grande do Sul, conforme preceitua a Lei Estadual nº 11.858, de 5 de Dezembro de 2002. A colheita da macela segue um rito tradicional do povo gaúcho, sendo a mesma colhida somente uma vez por ano e na Sexta-Feira Santa, antes do amanhecer, ou melhor, antes dos primeiros raios solares atingirem a planta, tendo em vista a necessidade de manter o orvalho sobre a referida planta, assim acredita-se que se mantem os poderes medicinais da macela. Então quem tiver a oportunidade de vir para o Rio Grande do Sul durante a Semana Santa encontrará muitas pessoas colhendo a macela na Sexta-Feira Santa junto à beira das estradas. Mas mais tradicional ainda é a colheita da macela feita, na mesma data, mas a cavalo. O chá de macela tem coloração dourada e sabor levemente amargo.

Assim, juntando esses dois produtos integrantes da tradição gaúcha resolvi criar a Cambará Pilsen, uma cerveja diferenciada que se enquadra no estilo SPECIALTY BEER, ou seja, utiliza-se uma estilo de cerveja como base (no meu caso o estilo German Pilsen) e acrescente produtos incomuns na produção cervejeira, segue a receita aos interessados (para uma leva final de 20 litros de cerveja):


INGREDIENTES:

- 4,5 Kg de malte Pilsen;
- 20 g de lúpulo Nugget (fervido por 60 min.);
- 11,5 g de fermento W-34/70 (lager);
- 500 g de mel de cambará (na fermentação);
- 1,5 litros de chá de macela (fim da fervura).
- 1 g de Whirflock

MÉTODO DE PRODUÇÃO:

- Após moído o malte adiciona-se o mesmo a 12 litros de água aquecida a 62º C e deixa em repouso durante 60 minutos (sempre mantendo a temperatura constante em 62º C). Essa rampa de temperatura irá extrair os açúcares fermentáveis necessários a criação do álcool na cerveja;
- elevar a temperatura da mistura a 68º C e manter durante 5 minutos, objetivando criar açúcares não fermentáveis que darão corpo à cerveja;
- após isso, suba a temperatura aos 78º C e deixe a infusão nessa temperatura por 15 minutos, para inativar as enzimas e encerrar o processo de conversão de açúcares no mosto;
- inicia a filtração e recirculação do mosto (durante uma hora). Nesse momento é realizado a lavagem do bagaço de malte como mais 18 litros de água aquecida a 78º C;
- a mistura que for retirada (mosto) é levada a fervura, nesse caso fervemos por 60 minutos. Nesse instante adicionamos o lúpulo somente para dar o amargor. Não foi usado lúpulo de aroma, objetivando manter o aroma dos adjuntos (principalmente do mel). Faltando 15 minutos para o fim da fervura adicionamos o whirflock, substância que auxilia na decantação das proteínas, deixando a cerveja com aparência mais cristalina.
- encerrada a fervura é adicionado o chá de macela e inicia o resfriamento da cerveja;
- quando a cerveja atingir uma temperatura de 18º C adiciona-se o fermento e leva a cerveja a uma geladeira com temperatura controlada (13º a 15º C) para iniciar a fermentação. Após 24 horas de iniciada a fermentação adicionar o mel (esterilizado) no fermentador e deixar por uns 10 dias. Após encerrada a fermentação, retirar o fermento e baixar a temperatura para 1,5º a 3,5º C e deixando a cerveja maturando por mais uns 10 dias, após engarrafa-la com priming (7 g de açúcar por litro) e deixar mais 10 dias até atingir a pressão adequada para consumo.

Após a primeira fermentação

Coloração dourada


DADOS DA CAMBARÁ PILSEN:

- OG: 1.056 (sem contar o mel)
- FG: 1.012
- teor alcoólico: 6%
- IBU (amargor): 27,6
- EBC (coloração): 6,9



Medindo FG

Medindo FG

DEGUSTAÇÃO:


A Cambará Pilsen surpreendeu positivamente, ficou uma cerveja de coloração dourado palha, no primeiro copo demonstrou-se cristalina, mas após servir a segunda vez ficava levemente turva em decorrência da existência de fermento na garrafa. Espuma branca, cremosa e duradoura, com bolhas pequenas. No aroma destacou o já esperado perfume do mel de cambará, mas nada exagerado, ao contrário restou um aroma equilibrado. E o principal... o sabor... mel... mais precisamente favo de mel... em resumo é isso que se pode sentir na Cambará Pilsen. Mas atenção amigos... isso não quer dizer cerveja doce.... pelo contrário ela demonstrou um amargor razoável. 






A primeira sensação que vem a boca é a refrescância típica das pilsen, com um toque sútil do adocicado do malte que logo cede lugar ao amargor do lúpulo, deixando um sabor residual na boca de favo de mel. Em relação a macela pouco pode se notar, para não dizer nada. Realmente gostei dessa cerveja e com certeza vou repetir essa receita em breve.

Cambará Pilsen